Câmara oficia Judiciário sobre acesso ao Santa Maria


Apenas em 2017, a Casa de Leis aprovou sete requerimentos questionando a construção de uma entrada regular e segura junto ao bairro

Com as obras de duplicação da pista, entrada do bairro tornou-se ainda mais perigosa

Nesta semana, a Câmara Municipal de Tietê oficiou o Poder Judiciário local sobre o abandono e a falta de respostas e soluções para a regularização do acesso ao bairro Terras de Santa Maria.
Documento assinado pelo presidente Adriano Aronchi (DEM), pelo vice-presidente Junior Regonha (PRP) e pelos vereadores João Carlos Uliana (DEM), Beto Rodrigues (PSB) e Ronaldinho locutor (Pros) foi protocolado ontem, 30 de novembro.
Atualmente, nas proximidades do bairro Terras de Santa Maria, ocorrem obras de duplicação na SP-300, no entanto, a construção de uma marginal que garanta segurança aos motoristas e moradores do bairro ainda não começou.
Tal fato tem gerado reclamações dos moradores e preocupação da Câmara Municipal que, constantemente, tem apresentado requerimentos e ofícios para fiscalizar o andamento das obras que são de responsabilidade da Prefeitura.
Com a duplicação da pista, a entrada para o bairro tornou-se ainda mais perigosa. Tal constatação é confirmada por um vídeo recebido pela Câmara em sua página do Facebook em que uma moradora do bairro denunciou a imprudência de caminhões pesados que têm feito conversão irregular na saída do Terras de Santa Maria devido às obras de duplicação que ocorrem na malha viária.
No vídeo, um caminhão carregado com toras de madeira usa a saída do Santa Maria para fazer o retorno irregularmente, colocando em risco motoristas e pedestres que passam pelo local.
Em resposta à moradora, a Câmara Municipal se prontificou a juntar tal denúncia aos procedimentos que tem adotado, inclusive, no ofício enviado ao Poder Judiciário, no qual os vereadores relataram que realmente é grave o problema do acesso ao bairro Terras de Santa Maria.
Também explicam que a Câmara Municipal, no exercício do seu dever de fiscalização, passou a levantar dados e informações a respeito da situação jurídica do caso com a finalidade de buscar soluções para esse problema.
Apenas em 2017, a Câmara de Tietê aprovou sete requerimentos de autoria dos vereadores, questionando a construção do acesso regular e seguro junto aos órgãos competentes.