Conheça o oitavo passo do Narcóticos Anônimos


Nesta etapa, é necessário estar disposto a fazer reparações a todas as pessoas prejudicadas pelas ações de uma vida de vícios

Em sequência aos relatos da sua experiência como alcoólico, Vitório (nome fictício) relata, nesta edição, o que aprendeu sobre o oitavo dos 12 Passos do Narcóticos Anônimos (N.A.).
“O oitavo passo pede que nos tornemos dispostos a fazer reparações para todas as pessoas que prejudicamos. Temos que atentar que a finalidade deste passo é fazer uma lista das pessoas que prejudicamos e ficarmos prontos a fazer reparações. Não trata da reparação em si, pois, à medida que nos aproximamos deste passo, ficamos imaginando o resultado das reparações. Seremos perdoados? Ficaremos livres e aliviados da culpa de que nos aflige? Será que aquela pessoa que magoamos irá nos julgar e condenar?
Mais uma vez, o programa nos pede humildade, abnegação e fé, pois o objetivo é ficarmos dispostos a fazer reparações sem pensar nas consequências, ou seja, sem esperar que sejamos efetivamente perdoados.
Embora seja possível que todas as pessoas a quem devemos reparações não nos concedam o pleno perdão, aprenderemos a perdoar a nós mesmos e, com isso, aliviar a carga do passado que nos impede de desfrutar as dádivas e benefícios do dia de hoje.
Não devemos abordar esse passo com objetivo de obter perdão das pessoas que prejudicamos, mas sim admitirmos e mostrarmos ao nosso Poder Superior nosso sincero desejo de fazermos as pazes com o nosso passado, abrindo mão de qualquer expectativa de sermos perdoados.
Ao praticarmos este oitavo passo, começamos a resolver nossos ressentimentos, arrependimentos e remorsos que nos mantêm presos ao passado, provocando desconforto sutil que, muitas vezes, levam-nos a buscar o alívio imediato nos nossos velhos conhecidos: o álcool e as drogas.
Fazer uma lista e estar disposto às reparações serão ações difíceis se não ultrapassarmos nossos ressentimentos. A maioria de nós deve reparações para alguém que também nos prejudicou. Podemos não ter perdoado essa pessoa ainda e podemos nos sentir relutantes em colocar o nome dessa pessoa em nossa lista.
Ao reconhecermos nossas responsabilidades sobre nossas ações, sentimos que devemos essas reparações e deixamos para trás nossos ressentimentos. Agora, não conseguiremos melhorar e ser capazes de viver a vida espiritual que buscamos se ainda formos controlados por nossa auto-obsessão. Precisamos parar de culpar outras pessoas por nossos atos. Temos que parar de nos colocarmos como vítimas. Quando conseguimos perdoar a nós mesmos, vai ficando mais fácil perdoarmos os outros.
É bom lembrar que não estamos sozinhos, chegamos até aqui pela orientação e ajuda de um Poder Superior. Assim, começamos a aceitar os outros como são. Desse modo, a lista deverá conter as pessoas que magoamos, a nossa desonestidade, quem roubamos, mentimos, portanto, todos que estavam do outro lado dos nossos erros.
Escrevemos também como prejudicamos a sociedade como um todo quando abusamos dela com um comportamento ofensivo em público. Nesta lista, é importante colocarmos nós mesmos. Outra boa forma de compreendermos como prejudicamos é nos colocarmos no lugar do prejudicado.
Haverá, também, danos tão graves que causamos que a situação não terá como ser reparada, principalmente quando olhamos nossas relações com aqueles que nos acompanharam por longo tempo.
Embora não possamos modificar o passado, precisamos olhar e reconhecer os danos causados. Enfim, nos dispormos a fazer o que for necessário e, para mudar, renovamos nosso despertar espiritual.
Embora ainda tenhamos que fazer as pazes com os outros, já começamos a fazer as pazes conosco e aumentamos nossa confiança em Deus, na forma como O compreendemos, buscando boa vontade e forças para avançarmos para o nono passo. (continua)