Dau apresenta ideias e avalia Governo Municipal


Segundo o presidente do Poder Legislativo, é necessário acelerar ações que visem o desenvolvimento e o bem-estar dos que moram em Tietê

Dau Fabri estará à frente da Câmara de Tietê no período de 2019 a 2020

José Geraldo Fabri (Dau Fabri) nasceu em 6 de outubro de 1970, em Tietê. Filho de José Geraldo de Pontes Fabri (Doutor Adinho) e Rosa Cunha Evangelista Fabri, é advogado e corretor de imóveis. Atua como advogado e empresário na Fabri Advogados Associados e Doutor Adinho Negócios Imobiliários.
Em 18 de dezembro do ano passado, a eleição da nova Mesa Diretora para o biênio 2019/2020 escolheu Dau Fabri (PHS) como presidente; dr. Pedro Campos (PV), vice; Ronaldinho locutor (Pros), 1º secretário; e Julio Coan (PSDB), 2º secretário.
Dau Fabri conduzirá a primeira sessão ordinária do ano na terça, 5 de fevereiro, a partir das 18h30.

NOSSA FOLHA – Qual é o perfil do presidente da Câmara de Tietê, Dau Fabri, e quais serão suas estratégias frente à Presidência para obter resultados satisfatórios?
Dau – Sou o mesmo que as pessoas convivem no dia a dia: humanista, legalista, empreendedor, gestor proativo, motivador e que gosta de ouvir sempre a opinião da sua equipe. É exatamente por ser assim na vida profissional e pessoal que não vejo necessidade de uma “estratégia” para presidir a casa. Farei como sempre faço! Buscarei sempre o diálogo, o consenso, a unidade e, quando preciso, usar pulso firme nas decisões que assim exigirem. Tenho convicção que o meu papel é fazer o Poder Legislativo ocupar o espaço que a Constituição Federal determina, de forma ativa e presente.

NF – Quais as dificuldades e os benefícios em estar no comando do Poder Legislativo tieteense?
Dau – É preciso ressaltar que não almejo qualquer benefício pessoal. O poder pelo poder não me atrai. Nessa função, sou um funcionário público e estou ali para servir, mas o cargo traz consigo uma força e sei que, junto dos outros vereadores, poderemos levar à Câmara uma pauta de responsabilidade e transparência. Até porque é assim que trabalho como vereador. Eu acompanho os problemas sociais da cidade, atendo cerca de 500 pessoas por mês e visito escolas, Postos de Saúde, órgãos públicos e bairros. Acredito que represento a voz de uma grande fatia da população tieteense e, diante dessa condição, terei mais força para cobrar do prefeito agilidade no atendimento da população e cuidado da cidade como um todo.
Quanto às dificuldades, elas consistem na limitação do poder de ação constitucional do Legislativo. As pessoas, às vezes, confundem a função do vereador com a do prefeito. Assim, mesmo sendo chefe do Legislativo, em ocasiões, não conseguirei, por esta limitação, atender a todos os anseios da população. Desse modo, dependeremos da boa vontade do prefeito para que pleitos, reivindicações e leitura da gestão administrativa sejam atendidos.

NF – Como presidente, como pretende desenvolver o mandato e quais serão suas linhas de atuação?
Dau – Com muita proatividade, presença, empenho, dedicação e, quando preciso, pulso firme. E sinto o mesmo desejo e anseio dos meus colegas da Mesa Diretora: dr. Pedro, Ronaldinho e Julio.

NF – Qual a avaliação que faz sobre o governo Vlamir Sandei (PSDB)? Como vê as manifestações de parte do eleitorado que se declara decepcionada com a atual administração? Em seu ponto de vista, o que impede o prefeito de promover mudanças positivas?
Dau – Sou advogado e penso que primeiro é preciso analisar o comportamento legal do prefeito. Sob essa ótica, eu vejo o governo de forma muito positiva, pois Vlamir Sandei é sujeito correto e cumpridor do princípio da legalidade. Tem cumprido, fielmente, os deveres e obrigações inerentes ao cargo, além de estar pagando dívida monstruosa do antecessor Manoel David.
Eu acredito nas boas intenções dele, mas a minha leitura como gestor e vereador é a de que ele fez algumas más escolhas na formação da sua equipe. Vejo setores da administração parados, dormentes e sem poder de reação na solução dos problemas enfrentados pela administração. Entendo também que é necessário mais proatividade, pois já se passaram dois anos de governo, ou seja, mais da metade do mandato dele, e ainda não conseguimos avançar em questões tanto básicas quanto muito importantes ao município.

NF – Como será a sua postura enquanto presidente em relação aos projetos do Executivo? A Câmara pretende ser rigorosa na fiscalização da aplicação dos recursos?
Dau – Será harmônica e independente como determina a Constituição Federal. Irá dar celeridade aos projetos de caráter de urgência e discutir de forma mais ampla os projetos que carecem de discussão mais abrangente.
Os vereadores da Câmara têm obrigação de serem rigorosos, e estão sendo desde o primeiro dia desta legislatura. No que depender de atos da Presidência e da Mesa Diretora, sempre agiremos na busca da transparência e de questionamentos essenciais decorrentes do dever de fiscalizar.

NF – Sua Presidência terá maior dinamismo quanto à transmissão das sessões e a divulgação dos conteúdos? Quais são as ideias?
Dau – Sim! Além de ser uma previsão legal, particularmente, entendo que, quanto mais publicidade se der aos atos do Poder Público, mais transparente ele é. O que, via de consequência, acaba chamando a atenção da população para participar mais e ajudar a direcionar os destinos de Tietê. Estamos preparando pedidos às operadoras de TV via satélite, como NET, Sky, Vivo, Claro, TVAC de Tietê, entre outras, para que nos seja cedido espaço dentro da programação de cada operadora para retransmissão das sessões. Tal previsão está contida na legislação vigente na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).
Também temos colhido orçamentos com emissoras de rádios locais e da região com intuito de analisar o custo e, eventualmente, transmitir as sessões ao vivo, via rádio.

NF – Como avalia a atual Câmara, que mescla vereadores com mais experiência e outros que assumiram seu primeiro mandato? Estão conseguindo fazer valer o papel de representantes do povo?
Dau – Considero esta legislatura e a do quadriênio 2005/2008 as mais preparadas do Poder Legislativo no passado recente de Tietê. Avalio a renovação como fundamental em qualquer setor ou atividade na sociedade, pois, além da energia nova, chegam também as ideias novas.
Os mais experientes são indispensáveis, pois o conhecimento adquirido na vida pública faz com que a máquina gire mais rápido e, ao mesmo tempo, trazem ensinamentos extremamente necessários.
Quanto ao papel de representante do povo, não tenho dúvida que cada vereador, à sua forma, tem desempenhado as atividades com louvor. Independentemente se o Executivo atende ou não os apontamentos feitos por cada um, todos têm contribuído para avanços necessários, desejados e merecidos por Tietê.

NF – Como está a estrutura da Câmara de Tietê? Hoje, qual é o projeto de maior urgência para aprovar?
Dau – A urgência do momento é regularizar o quanto antes a situação legal do funcionalismo público. A decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), que julgou inconstitucional parte do Estatuto do Funcionalismo implantado na gestão Manoel David, está causando instabilidade, insegurança e apreensão aos servidores. Por isso, temos dado total atenção à cada categoria do funcionalismo ao ouvir cada uma das suas argumentações e reivindicações.
Tudo que foi colhido na audiência pública de 28 de janeiro deste ano será transformado em ofício destinado ao prefeito Vlamir Sandei. Nele, terão todos os apontamentos, para que analise e, eventualmente, venha atender às solicitações, ressaltando-se que cabe exclusivamente ao Executivo a legitimidade ativa da propositura das leis, não sendo constitucionalmente facultado ao vereador tal missão.
Quanto à limpeza e manutenção da cidade, não tenho o menor receio de dizer que estão péssimas, o que causa vergonha e revolta na grande maioria dos cidadãos tieteenses. Era compreensível que, no começo da atual gestão, tivessem dificuldades financeiras para custear melhor cuidado com a cidade. Porém, superada a fase, é inadmissível que ainda hajam buracos nas vias públicas, lâmpadas queimadas na iluminação pública, mato alto nas praças, nas ruas e em terrenos públicos e particulares por toda a cidade.
Acrescento, ainda, a total incompetência administrativa no Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae). Em campanha, o prefeito prometeu que daria atenção especial à autarquia, inclusive usou a frase “Vamos virar o Samae de ponta cabeça”. E o que vemos até agora é o descontentamento geral da população com os problemas insanáveis de contas cobradas em duplicidade, contas com valores exorbitantes sem que haja consumo, água suja fornecida aos bairros da cidade e a falta de água constante por toda Tietê.

NF – Considerações finais:
Dau – Imagino que todo tieteense e aqueles que aqui adotaram como lar querem voltar a ter orgulho de Tietê, a “Cidade Jardim”. Para que isso volte a acontecer, além da participação maciça popular e atuação ativa dos vereadores, que representam e levam as reivindicações ao prefeito, é necessário que ele, chefe maior da cidade e detentor da tarefa de aplicar os recursos financeiros e gerir os atos administrativos da cidade, dê ouvidos às pessoas que querem contribuir para que possamos sair desse momento crítico em que vivemos.
Vejo que é necessário acelerar ações que visem o desenvolvimento de Tietê e o bem-estar dos que aqui vivem. Para isso, é importante que o prefeito tenha coragem de promover mudanças em sua equipe de governo, que, em dois anos, com a exceção de certas pastas, pouco contribuíram com os avanços fundamentais do município.
Por parte do Legislativo, na qualidade de presidente, posso afirmar, com total segurança, que estarei diuturnamente atento a tudo que se passa no município, principalmente para apontar ao Executivo suas maiores falhas de gestão.