Dr. Rubens Macruz: profissionalismo e humanização


O tieteense, filho de Nilda e Orival, por merecimento e dedicação à Anestesiologia, colhe os resultados do seu amor à Medicina e ao ser humano

Graduado em Medicina e residência em Anestesiologia pela Unesp de Botucatu com título pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia, doutor José Rubens Macruz Ferreira da Silva atua na Santa Casa de Misericórdia de Tietê, de Laranjal Paulista e de Cerquilho, além da Macruz Saúde & Estética, onde presta atendimento em tratamento para dor, acupuntura e medicina estética.
Nascido em 29 de dezembro de 1966, da união de Nilda Maria Macruz Ferreira da Silva e Orival Ferreira da Silva, doutor Rubens Macruz está casado com Mariana de Fátima Rodrigues da Costa e tem dois filhos: Nicole Montemor Macruz e Leonardo Costa Macruz.
Em razão do Dia do Médico, comemorado em 18 de outubro, o jornal Nossa Folha traz esta entrevista exclusiva.

NOSSA FOLHA – Quem é Rubens Macruz? Há diferença entre o cidadão e o médico?
Dr. Rubens Macruz – Sou uma pessoa que busca o aperfeiçoamento nas atividades diárias e que procura sempre fazer o melhor. Se houver diferenças entre o cidadão e o médico são poucas, pois procuro me manter sempre melhor e me aprimorar tanto profissionalmente como no trato com as pessoas no meu dia a dia.

NOSSA FOLHA – Quando e por que o doutor se apaixonou pela Medicina? Teve alguma influência?
Dr. Rubens Macruz – Comecei a me interessar pela Medicina quase que por acidente. Uma vez, um dos meus irmãos, ainda pequeno, se machucou e sofreu uma fratura na perna. Na ocasião, eu o acompanhei até o hospital e comecei a me interessar pelo tratamento feito nele. Assim, quando vi, percebi que era aquilo que eu queria fazer. Nesta época, eu tinha entre 15 e 16 anos, era final do colegial.
Talvez a minha escolha tenha tido influência dos meus irmãos mais velhos que fizeram Medicina. Quando eu estava terminando o colégio, eles estavam concluindo a graduação na universidade de Medicina.

NOSSA FOLHA – Como foram seus estudos universitários e o que mais lhe marcou na época?
Dr. Rubens Macruz – Como já no início dos estudos ficava cada vez mais claro que a Medicina era aquilo que eu queria fazer, os estudos fluíram muito rapidamente. Com a ajuda dos mestres e professores, foi algo bastante prazeroso.
Naquele período, o que mais me marcou foi que, embora Botucatu fosse uma cidade bastante interiorana, éramos 90 alunos que estavam longe dos pais, da família e dos amigos, vindos de tantos lugares diferentes. Então, quase que naturalmente surgiu uma grande solidariedade entre nós. Era sempre um ajudando o outro em nossas dificuldades e necessidades. Essa grande rede de amizade foi o mais marcante para mim!

NOSSA FOLHA – Quando percebeu que seu futuro profissional seria construir carreira na Anestesiologia? O que mais lhe motivou na escolha por esta especialidade?
Dr. Rubens Macruz – Em meu quinto ano, passei pelo estágio da especialidade de Anestesiologia e percebi que, para mim, era muito bonito prestar assistência e cuidar da vida de uma pessoa que está sendo submetida a uma cirurgia, mantendo-a segura. Com toda a responsabilidade que a carreira exige, era isso o que eu queria para mim.

NOSSA FOLHA – Normalmente, todo início de carreira é difícil. Como e onde foi o seu?
Dr. Rubens Macruz – Meu início de carreira foi aqui em Tietê. Vim para cá, a convite do dr. Fernando Campos, então anestesiologista da cidade, logo que terminei minha especialização. Tive um pouco de dificuldade em ser aceito e ganhar a confiança dos cirurgiões mais antigos. Mas, com meu trabalho e dedicação, isso até que ocorreu de forma relativamente rápida.

NOSSA FOLHA – Por que decidiu atuar em Tietê e região?
Dr. Rubens Macruz – Como o convite do dr. Fernando Campos aconteceu exatamente quando eu terminei a especialização, acreditei que um caminho estava trilhado para mim aqui na minha cidade natal. Foi tudo muito natural!

NOSSA FOLHA – Como avalia sua trajetória profissional até aqui?
Dr. Rubens Macruz – Eu avalio positivamente. Sempre procurei atuar de forma responsável, ética e humana. Porém, acredito que a melhor avaliação sobre mim pode ser dada pelos pacientes que já tiveram contato ou foram cuidados por mim.

NOSSA FOLHA – Quando se fala em dr. Rubens as palavras de referência são profissionalismo, humanização e humildade. Como vê isso?
Dr. Rubens Macruz – Vejo com muita alegria, pois são valores que carrego comigo desde a infância, por responsabilidade dos meus pais. Sempre valorizei esse tipo de atitude, ser competente, porém, sem perder a humanidade.

NOSSA FOLHA – 18 de Outubro foi Dia do Médico, qual é sua mensagem aos colegas de trabalho e seus pacientes?
Dr. Rubens Macruz – Aos colegas, os parabéns! Ser médico é uma profissão difícil, que provoca desgaste mental, físico e familiar. Porém, se for exercida de forma digna e responsável, é gratificante.
Aos pacientes, eu digo: confie em seu médico. É alguém que está fazendo o melhor dele, e até um pouco mais, para que você se sinta melhor e mais confortável.