Esclerose múltipla atinge mais de 2,5 milhões


Só no Brasil são mais de 40 mil casos da doença, de acordo com a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (Abem)

A esclerose múltipla, ainda pouco conhecida pela população, atinge mais de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo dados da Federação Internacional de Esclerose Múltipla, sendo em sua maioria mulheres, na faixa dos 20 aos 50 anos.
Só no Brasil são mais de 40 mil casos da doença, de acordo com a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (Abem).
Para o neurologista Eric Grossi, a maior dificuldade está justamente na falta de informações sobre a doença. “A grande maioria da população, inclusive os médicos não neurologistas, não sabe o que é a esclerose múltipla, seus sintomas e tratamento. Por esse motivo é tão importante alertamos sobre o assunto”, comentou o especialista.
Primeiros aspectos que devem ser esclarecidos são: a esclerose múltipla não é doença mental, não é contagiosa, existem sim métodos de prevenção e, apesar de não existir cura com os avanços da Medicina hoje, é possível tratar os sintomas e, mais importante, retardar o processo de evolução da doença.
“A esclerose múltipla é uma doença neurológica, crônica e autoimune, na qual as células de defesa do próprio organismo atacam o sistema nervoso central, o que provocam lesões cerebrais e medulares. Com causas desconhecidas, a doença passou a ser foco de estudos no mundo todo, o que tem ajudado de forma significativa na melhoria de vida dos pacientes”, detalhou Grossi. Segundo o médico, a maioria dos casos acontecem em mulheres jovens e pode ter os mais variados sintomas, como cegueira súbita, visão dupla, fraqueza muscular, alteração do equilíbrio ou da coordenação motora, fadiga intensa, depressão, dores articulares, além de disfunções intestinais e na bexiga.
Existem algumas doenças que têm sintomas semelhantes aos da esclerose múltipla e só um médico especialista será capaz de identificar corretamente. Em caso de suspeitas da doença, é importante que a pessoa procure um neurologista para que ele possa investigar, chegar ao diagnóstico correto e começar o tratamento.
Tratamentos hoje disponíveis reduzem a atividade infamatória causadora das lesões no sistema nervoso central, contribuindo para redução da incapacidade e melhorando a qualidade de vida dessa pessoa. “Estamos avançando quanto ao conhecimento e os tratamentos da esclerose múltipla, mas é um longo caminho, por isso, um acompanhamento adequado faz toda a diferença na vida do paciente. Cada caso é um caso diferente e todos devem ser avaliados e tratados individualmente”, completou o neurologista.