Junior Regonha questiona combate ao Aedes aegypti


Veículos abandonados na rua André Parducci servem como criadouro para o mosquito

Na mesma sessão ordinária da Câmara de Tietê, realizada na terça, 3 de outubro, o vice-presidente Junior Regonha (PRP) apresentou o Requerimento 606/2017, no qual pede detalhes à Prefeitura quanto à estrutura do município no ano de 2017 para o combate ao mosquito Aedes aegypti.
Dados divulgados em setembro deste ano pelo Ministério da Saúde apontaram quase 215 mil casos de dengue registrados no Brasil em 2017, sendo registradas 83 mortes pela doença.
Vereador salientou que está havendo avanço dos casos de dengue nos últimos anos, cabendo ao município, através de ações eficazes, campanhas de esclarecimento e, principalmente, enfrentamento rápido da situação para garantir que o problema não se alastre.
“Período de Verão e de chuvas se aproxima e propicia o ambiente necessário para o desenvolvimento e procriação da larva do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus. Além disso, ao lado da própria Secretaria Municipal de Saúde estão depositados diversos veículos apreendidos, todos em estado de abandono e sem qualquer proteção contra a proliferação das larvas do mosquito”, relatou o vereador em seu requerimento.
Com base nestes dados, Junior Regonha quer saber qual é a equipe e a estrutura da Prefeitura de Tietê neste ano de 2017 para atuar no combate ao mosquito Aedes aegypti, como veículos e equipamentos utilizados; verbas destinadas pelo Governo Federal e valor investido pelo município em ações preventivas e de estruturação da equipe de combate ao transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.
Vereador ainda perguntou qual a previsão de investimento nos próximos meses (até dezembro deste ano) e se existe ação articulada entre as secretarias municipais no combate ao mosquito.
Segundo o Poder Legislativo, a Prefeitura de Tietê tem prazo de até 15 dias úteis para responder ao requerimento do vereador Junior Regonha.