Lua Vidraceiro


Além de ser uma forma carinhosa de ser feliz de novo, lembrar do passado também é interessante porque sempre surgem curiosidades.
Na homenagem de hoje, tem uma informação que poucos devem saber. Quem sabe o nome de batismo de Lua vidraceiro? Conhecidíssimo pelo apelido, jamais imaginaria que seria Nodival José Lavorenti, o filho de dona Teresinha e Jorge Lavorenti, que tinha uma serralheria na rua Marcelo Tupinambá, perto da rodoviária antiga. Nas janelas e portas do pai, hoje tem vidros do filho.
Para quem não sabia, anteriormente, Lua trabalhou na Autoescola Cidade Jardim, de Belaz. Tempos depois, foi para o Exército e, quando voltou para Tietê, comprou a vidraçaria de Carlinhos na rua do Comércio e depois se mudou para a rua São Benedito, 295, onde até hoje está com seu estabelecimento.
Lua nasceu em 24 de julho de 1961. Está casado com Vera e tem dois filhos: Bruno e Bárbara. Reside no bairro Altos do Tietê.
Fiquei pensando: por que o apelido é Lua? Acho que ele fazia serenata para sua amada e cantava aquela música de Nelson Gonçalves, mais ou menos assim: “Lua bonita, se você não fosse casada, eu comprava uma escada para te beijar”.
No futebol, Lua jogou no América, São João e Olaria. Também participou do Cafu atuando pelo time “Será que vai?”
Mas como Lua também gosta de futebol de salão, publico esta foto da Autoescola Cidade Jardim, vice-campeã de 1983. Inclusive, nesta mesma imagem, aparece o saudoso amigo Nenê.
Ainda bem que a vida passa e a lua continua brilhando para Nodival!
PIADINHA DA SEMANA – A loira entra no circular sozinha. Veículo está vazio e chove dentro. A loira senta bem aonde tem uma goteira. O motorista observa e fala:
– “Moça, por que a senhora não muda de lugar?”
A loira olha e responde:
-“Como? Não tem ninguém para trocar!”