Perfil entrevista José João Fadine


José João Fadine nasceu em 23 de junho de 1949, em Tietê, filho de José Fadine e Guilherma Nicolosi Fadine. Psicanalista holístico trabalha como psicanalista em consultório na rua Francisco de Toledo, 710, em Tietê. Está casado com Edna e tem um filho chamado Edgar.
Eu sou? Um ser sempre em construção.
Sinônimo de beleza? A criança.
Cantor e cantora? Andrea Bocelli e Shirley Bassey.
Ator e atriz? Lima Duarte e Regina Duarte.
Sonho? Com uma humanidade cada vez mais consciente de que o mundo externo só pode mudar a partir da transformação da consciência de cada pessoa. Cada um, dentro das suas possibilidades, pode contribuir assumindo seu compromisso com a responsabilidade que lhe cabe.
Amor? É o sentimento primordial, sem o qual a vida fica sem sentido. É zelo, cuidado, responsabilidade, compaixão, renúncia, acolhimento, respeito, doação, inclusão…
Solidão? É uma necessidade básica para quem busca um encontro com a divindade que faz parte de cada ser humano.
Deus? A causa primária de tudo o que existe, a integridade presente em cada pessoa. Tenha ela consciência disso ou não.
Religião? Cristã.
Filme? O Homem que não vendeu sua alma, de 1966, do diretor Fred Zinnemann.
Sonho de consumo? Acredito que não tenho!
Defeito? Distração.
Qualidade? Paciência.
Lugar? Lar, doce lar.
Lazer? Caminhada, vôlei adaptado, leitura, filmes e futebol.
Qual o livro de cabeceira? “Viver Agora”, de Joel Goldsmith.
Qual profissão teria escolhido sem ser a sua? Seria teólogo.
Momento da vida para repetir? Casamento.
Alegria? Sentimento de plenitude.
Tristeza? Se a aceitarmos, nos dá profundidade e sempre saímos fortalecidos na sua superação.
Decepção? Faz parte do viver e nos mostra que a vida nem sempre satisfaz todos os nossos desejos nem sempre é como queremos que ela seja. Este mundo não representa a gratificação de todas as nossas vontades.
Receita contra o tédio? Trabalho criativo.
Tem saudades do quê? Da inocência da infância.
Amizade é? Companheirismo.
Amigo(a) especial? Todos os amigos e amigas são especiais.
Palavra que riscaria do vocabulário? Inveja.
Ídolo? Carl Gustav Jung.
Frase? Os heróis ou heroínas, verdadeiros, nunca perdem suas virtudes e integridade. Mesmo nas condições mais difíceis eles mudam as circunstâncias, não seu caráter. (autor desconhecido).
Nota 10 para: todos aqueles e aquelas que dedicaram sua vida para o desenvolvimento da consciência humana.
Nota zero para: a insensibilidade que destrói vidas.
Grande homem ou grande mulher? Todo ser justo.
Planos para o futuro? Estar sempre em um estado de aprendizado.
Recado? Da mesma forma que exercitamos nossos músculos físicos, temos que treinar nossa “musculatura” psíquica para enfrentarmos os desafios que a vida nos impõe, para sermos capazes de suportar os conflitos, frustrações, solidão e rejeição que, muitas vezes, nos acontecem.