Rua do Tiro de Guerra está intransitável


De acordo com a reclamante, a referida via está com asfalto danificado e, em muitos trechos da via, não há calçamento

Moradores da rua Joaquim Rodrigues Alves apontam prejuízos por conta dos buracos

Nesta semana, uma moradora do Tiro de Guerra, em Tietê, entrou em contato com o jornal Nossa Folha para relatar problemas na rua Joaquim Rodrigues Alves. De acordo com a reclamante, a rua está com asfalto danificado e, em muitos trechos da via, não há calçada. “Faz meses que venho cobrando uma providência da Prefeitura, como a recuperação do asfalto e a notificação dos proprietários de terrenos para que os mesmos construam calçadas. Entretanto, a Prefeitura fica em um jogo de empurra-empurra sem resolver o problema”, comentou.
Outro residente, no bairro Terra Nova, afirmou que teve prejuízo financeiro ao passar com o veículo pela rua Joaquim Rodrigues Alves. “Tive que gastar R$400 com oficina mecânica por conta de um problema no carro ao transitar pela via. Será que a Prefeitura vai pagar meu prejuízo? Duvido muito, pois se nem o básico ela tem feito”, desabafou o motorista.
Em resposta à reclamação, a Secretaria Municipal de Serviços informou que toda a cidade passará pela operação tapa-buracos, a qual tem caráter permanente. Já a Secretaria Municipal de Obras e Planejamento está ciente do caso e tomará as devidas providências para solucionar da melhor forma possível esta questão com os proprietários envolvidos.
CIDADÃO-REPÓRTER 2 – Leitores deste semanário solicitaram detalhes sobre a construção da ponte que cedeu na rua Vanda Pontes Pasquali, via que dá acesso ao bairro Baronesa, em Tietê.
Moradores relataram que, após as chuvas do início do ano, a tubulação que passa sob a rua Vanda Pontes Pasquali e pela cabeceira da ponte foi arrastada pela força das águas, resultando na interdição total da referida via municipal, aumentando em aproximadamente 12 quilômetros o percurso até o Centro da cidade.
Com a interdição da ponte, outra preocupação manifestada pelos moradores é em relação às aulas, pois, com o impedimento da passagem do ônibus, o transporte escolar fica comprometido em evidente prejuízo aos alunos da Rede Municipal de Ensino que residem nas imediações.
Recentemente, na Prefeitura de Tietê, houve reunião para discutir o assunto junto aos moradores, que ainda aguardam o início das obras.
Este semanário solicitou detalhes sobre o início da construção da ponte, mas até o fechamento desta edição, a Prefeitura não emitiu nota de esclarecimento.