Saudoso corintiano Hermínio Pilon


Uma vida inteira dedicada à Usina Santa Maria, à família e aos amigos. Foi assim que viveu o grande amigo e corintiano Hermínio Pilon. Nascido em 30 de março de 1944, esse homem teve a missão de passar pela terra para levar alegria e bondade a todos.
Até a geração de 1990, é difícil encontrar alguém que não tenha ouvido falar do corintiano fanático Hermínio Pilon, principalmente, os esportistas dos anos 70 e 80, que têm muito o que contar sobre o jogador Hermínio.
Com um sorriso, às vezes tímido, mas sempre contagiante, Hermínio era corintiano de corpo, alma e coração. Quem se lembra do carro que ele tinha todo personalizado com a marca da sua grande paixão: Esporte Clube Corinthians? Imagino que ele foi o maior símbolo do Timão na cidade. Tanto é que, na foto do seu túmulo, ele está todo caracterizado de corintiano. Até neste espaço, que é o local da saudade, Hermínio transmite alegria.
Este corintiano gostava de ver todo mundo feliz e sempre tinha uma conversa agradável. Faz muita falta a companhia de Hermínio Pilon, não apenas para a esposa Lígia, filhos e netos, mas também para todos aqueles que tiveram o privilégio de viver ao seu lado.
Dos arquivos do saudoso Deraldo Rodrigues, grande colaborador da história de Cerquilho, consegui uma imagem dos anos 70, quando o Esporte Clube Usina Santa Maria, equipe que representava a família Pilon nas disputas esportivas, brilhava nos estádios de Cerquilho e região com essa onzena: Dinho, Ércoles Albino, José Luiz Grando (Eka), Palmiro Gaiotto Filho (Mirinho), Castilho, Cipó, Hermínio Pilon, Paulo Pilon, Ferrari, Darci e Luiz Antonio Daros.
Neste time, com certeza, não poderia faltar a presença do homenageado de hoje que faleceu em 25 de agosto de 1999. Passados 18 anos da sua morte, ainda faz muito bem lembrar de Hermínio!
História – Fruto do empenho e da determinação empreendedora da família Pilon, de origem italiana, que chegou ao subdistrito de Cerquilho no final dos 1930, a Usina Santa Maria cresceu com a cidade e é, hoje, o núcleo de um grupo agroindustrial e empresarial com ramificações no País e na América Latina.
A história desta família começou a ser escrita em 1939, quando os Pilon decidiram deixar o município de Iracemápolis para produzirem pinga em um alambique na até então Vila de São José de Cerquilho.
Em 1953, com o aumento das necessidades gerais do município e da região, foi fundada a Usina Santa Maria, símbolo do desenvolvimento no Estado de São Paulo.
A participação da família Pilon na vida de Cerquilho contribuiu para a consolidação de uma cidade que, hoje, é exemplo em qualidade de vida e de desenvolvimento regional.
PIADINHA DA SEMANA – O português liga para a companhia aérea e pergunta:
– “Quanto tempo leva uma
viagem do Brasil para Portugal?”
– “Só um minuto”, diz a atendente.
O português agradece e desliga.