Trocas do tempo!


Qual é o valor do hoje e do amanhã? Como resolver a eterna disputa entre presente e futuro na vida humana? Por quantos anos vamos viver? Como será o amanhã? O que é melhor: desfrutar o momento ou cuidar do futuro? O que comer? Como cuidar da saúde e do dinheiro? Qual a melhor carreira a seguir?
Dilemas como estes aparecem o tempo todo na vida das pessoas. É assim! De um lado, estão os sonhos e os desejos; de outro, as possibilidades e também os limites. Vivemos uma vida que, a todo momento, mostra-nos que o presente e o futuro são um jogo que recomeça diariamente e que, mesmo sem perceber, obriga-nos a jogar sempre.
Assim, os ponteiros do relógio imitam o movimento circular do sol, mas o tempo não roda, ele simplesmente avança e, ultimamente, avança ferozmente. É sempre um dia depois do outro, um dia de cada vez e, à frente, o que existe é o amanhã com muitas possibilidades.
Mas quem de nós sabe ao certo o que vai ser do futuro? A única certeza é que a vida é muito breve e tem um fim. Só não sabemos quando! Então, é viver mais um dia pelo tempo que for possível, não se esquecendo de cuidar do amanhã. É aí que começam as negociações para fazer do tempo um aliado e não um inimigo.
Na verdade, as trocas do tempo acompanham a trajetória das pessoas no mundo. Também os animais, e até mesmo as plantas, fazem suas trocas entre o aqui e agora e o futuro. Eles também procuram a melhor maneira de sobreviver e garantir a continuidade da espécie.
Todos os seres vivos têm um ciclo de vida e um futuro a zelar. E todos desenvolvem mecanismos de realizar trocas no tempo. No reino vegetal, em uma floresta, há sol e chuva durante todo o ano e a vegetação tem seu sustento garantido. Mas e onde a natureza é menos generosa e os Invernos são rigorosos, com grandes variações de calor, luz e chuvas? Assim como acontece com cada um de nós, na natureza, os mecanismos da troca no tempo são também de dois tipos: ou o benefício é antecipado no tempo e os custos chegam depois ou os custos vêm antes dos benefícios.
Na verdade, a questão real é saber o que se deseja e como dar consistência no tempo aos desejos, já que de um lado está a lógica (respeitar as regras do que é possível), porém, do outro, sempre está o sonho do querer.
Ainda que o futuro seja incerto, procure não desperdiçar as oportunidades do presente. Embora tudo seja passageiro, temos uma vida nas mãos e um tempo finito em um espaço imenso e fértil, pleno de diferentes possibilidades e oportunidades. Por isso, a vida está aí para nós, esperando pelo nosso despertar e que a sustentemos forte com as nossas mãos sem vacilar.