Uliana cobra prestação de contas sobre reciclagem


Na primeira sessão ordinária de 2019 da Câmara Municipal de Tietê, o vereador João Carlos Uliana (DEM) apresentou requerimento em que cobrou do prefeito Vlamir Sandei (PSDB) a prestação de contas e gastos com o serviço de coleta de reciclagem nos últimos 36 meses.
Diante da necessidade de informações, Uliana pediu que o Poder Executivo, através da secretaria responsável, providencie e, em seguida, encaminhe cópias das notas fiscais e dos relatórios das cooperativas com serviços pagos pela municipalidade no referido período.
Objetivo do vereador é obter uma leitura correta da quantidade de materiais recicláveis recolhidos das ruas do município.
“Por meio de requerimento, eu solicitei que a Prefeitura de Tietê notifique a empresa Corpus para que esta se abstenha de recolher os materiais recicláveis, separados pelos munícipes, sob pena de infração ambiental, já que também tem recolhido por meio dos caminhões coletores de lixo domiciliar os materiais reciclados depositados para coleta dos recicladores”, destacou o vereador.
Uliana reforçou que, desde o ano de 2013, a Prefeitura de Tietê paga às cooperativas pela destinação correta dos materiais recicláveis e estas são obrigadas a fornecer relatórios da quantidade de material recolhido e triado para o pagamento mensal do serviço prestado.
“Considerando as reclamações dos moradores sobre o fato dos caminhões de coleta da Corpus estarem recolhendo o material reciclável, entendo que essa situação é um total desestímulo à consciência ambiental e à separação de materiais recicláveis pelos moradores, uma vez que eles passam a ter ciência de que tudo vai acabar em um aterro”, questionou o vereador.
Uliana observou, ainda, que a coleta desse recicláveis pela empresa prestadora de serviço de coleta domiciliar traz aumento dos custos, já que todo este material é destinado a um local que fica a quase 130km de Tietê.
“Não bastasse isso, temos que considerar os custos do aterro para a disposição final desse lixo, além do detrimento ao trabalho social da cooperativa contratada pela Prefeitura de Tietê e dos seus funcionários que vivem da coleta de reciclagem e dos recursos provenientes da quantidade de material recolhido das ruas do município. Serviço esse que, por sua vez, não requer alto custo de transporte nem uso de aterro sanitário”, comentou o vereador sobre a situação da coleta de recicláveis no município.