Anunciada a construção da passarela pênsil em Tietê


Anunciada a construção da passarela pênsil em Tietê

Projeto foi aprovado em 2013 pelo Ministério do Turismo

Vencidas as negociações junto à Caixa Econômica Federal e o Ministério do Turismo, segundo noticiou a Prefeitura de Tietê, na última semana ocorreu definitivamente o desfecho referente à construção da passarela pênsil, que deverá ser considerada um dos cartões postais do município.
De acordo com o prefeito Vlamir Sandei (PSDB), trata-se de uma obra de destaque por conta dos seus detalhes e da beleza do cenário que estará inserida naquela região entre as duas margens do Rio Tietê.
Ainda de acordo com o Poder Executivo, a execução desse projeto aprovado em 2013 pelo Ministério do Turismo seguiu, lentamente, por conta de problemas burocráticos do contrato, que culminou na extinção do documento de origem e, vencidas as tentativas de licitação, a liberação começou a ocorrer em 2020.
Ainda de acordo com a Prefeitura, Vlamir Sandei buscou a liberação do convênio com o Ministério do Turismo e Caixa Econômica Federal e teve a conquista anunciada, na última semana, momento que ocorreu a liberação da ordem de serviço para a construção da passarela pênsil sobre o Rio Tietê, sendo uma das maiores obras em madeira, ferragem e aço, no estilo do Hemisfério Sul. “Além de se tornar um grande atrativo turístico para o município, urbanisticamente a passarela pênsil contemplará a revitalização da avenida Fernando Costa (Beira-Rio), ligando-a ao Loteamento Jardim Rodrigues de Moraes, no acesso paralelo ao Recinto da Fait e do Aeroclube. Portanto, a obra trará inúmeros benefícios ao município”, acrescentou o secretário municipal de Obras e Planejamento, Álvaro Floriam Gebraiel Bellaz.
O prefeito destacou, ainda, a importância da construção da passarela pênsil, observando diferentes situações: “sigo no compromisso de uma administração que respeita o dinheiro público municipal aplicado na construção existente no local. Ressalto que, caso o município não conseguisse reaver o convênio para a construção das obras seguindo as regras estipuladas pela Caixa Econômica Federal e pelo Ministério do Turismo, haveria a necessidade da devolução de recurso federal já aplicado na obra, sendo este corrigido com os juros estipulados contratualmente.
Por fim, vale considerar a beleza, a tratividade e a consolidação de todo o conjunto das obras que estão sendo realizadas em toda a extensão da avenida Beira-Rio, no trecho que compreende da rua José Nicolosi até a Júlio dos Reis, com potencial valorização daquela região”, completou.