Anunciadas novidades para o projeto Culturando


Ao jornal Nossa Folha, o idealizador apresentou a reestruturação que incluiu a reposicionamento da marca perante ao público e à mídia

Ator, bacharel em Direito e fundador do projeto Culturando, Pablo Civitella acumula experiência na Cultura há mais de 20 anos. Além de ator, fez fama como secretário de Cultura em Tietê, diretor do Teatro Municipal de Cerquilho e assessor artístico do Theatro Municipal de São Paulo. Atualmente, é o diretor-presidente do “Culturando”.
Idealizado por Civitella, o projeto foi oficialmente fundado em 29 de março de 2008. Objetivo inicial era desenhar um plano integrado de ações culturais para Tietê. Com intuito de proporcionar organização e direcionamento às atividades do setor no município, a equipe passou a promover ações culturais ligadas à música, dança e ao teatro, tendo sempre como foco a valorização dos artistas locais.
Em 2013, o “Culturando” oficializou-se como associação cultural e expandiu a atuação para Cerquilho, tendo a primeira década de atividade marcada por eventos de grande visibilidade aos artistas e forte presença de público. Tudo isso proporcionou à referida associação o reconhecimento pela atuação marcante e realizadora, bem como pela qualidade que imprimiu em cada evento, com destaque às ações multiculturais do Verão Culturando e Inverno Cultural.
Em 2018, o “Culturando” passou por reestruturação e isso incluiu o reposicionamento da marca, a repaginação do site e a atuação mais colaborativa. A partir de 2019, para formar um eixo de referência cultural, ampliou as atividades para cinco cidades: Laranjal Paulista, Jumirim, Tietê, Cerquilho e Porto Feliz. Dessa forma, o “Culturando” segue forte em sua missão e, neste ano, expande a atuação pelo interior de São Paulo, valorizando cada vez mais a arte e os artistas desta rica região.

NF – Depois dessa breve paralisação, o projeto Culturando retorna com força. O que esperar de 2019 e quais dificuldades quanto às parcerias relacionadas à Cultura?
Civitella – Em 2018, o “Culturando” completou 10 anos de atividades. Foi um momento oportuno para reavaliar nossa atuação até aquele momento, além dos pontos fortes, da qualidade e profissionalismo impressos em cada evento. De forma geral, pautamos também as dificuldades enfrentadas pela Cultura, sendo de fundamental importância a atuação mais colaborativa como forma de sustentação do projeto, bem como para as atividades culturais nos municípios, principalmente os de pequeno porte no interior.
Essas impressões já constatamos em 2019. Em determinadas cidades, encontramos grupos artísticos sem espaço para atividades; em outras, grupos com espaço, mas sem apoio do comércio. Outras tinham grande infraestrutura, porém, mal administradas por seus gestores. Neste cenário, encontramos uma gama de comércios. Assim, tivemos que trabalhar dobrado para identificar quem são as pessoas dispostas a apoiar a Cultura e quem são os parceiros que estão, realmente, em busca de se estabelecerem como empresa atuante no município.
Com intenso trabalho, buscamos lideranças, comerciantes e empresários comprometidos com a Cultura em suas respectivas cidades, dispostos a enfrentar o cenário atual com otimismo e criatividade. É com esses parceiros que tiramos os projetos do papel.

NF – Este jornal observou que o projeto Culturando tem nova logomarca. Por que decidiu mudar e o que representa esse novo símbolo?
Civitella – A mudança da logomarca foi proposta pelo presidente do Conselho de Administração, José Tavares, e aceito por todos os membros. Na ocasião da reestruturação, concluímos que o modelo ideal de sustentabilidade do projeto seria a partir de uma atuação mais colaborativa em relação às parcerias e no relacionamento com os artistas e grupos, e também por meio de uma atuação mais participativa no campo das ideias e processos decisórios. Por isso, nossa logomarca, tão bem desenhada pela Épica Creative, representa cabeças em círculo, de braços dados e cores distintas, e mostra a pluralidade de ideais e a atuação participativa que desejamos.

NF – A novidade para o espetáculo Circo de Pulgas neste domingo, dia 14, será a parceria com a Xereta e o Joinha. Conte-nos como foi esse processo de criação do combo pipoca + Xereta + Joinha?
Civitella – Gostaríamos que essa “retomada” das atividades representasse a “nova cara” do “Culturando”, oferecendo ao público um espetáculo de qualidade em uma tarde agradável dedicada à família. Assim, surgiram novas ideias e a construção de novos parceiros da Cultura. “Loucura é querer resultados diferentes fazendo tudo exatamente igual”. Essa frase de Einstein toma sentido ainda maior nesse período turbulento que a sociedade enfrenta. É preciso fazer diferente e promover a diferença, além de propor novidades e usar da criatividade para romper as barreiras.
Não pautamos a realização do espetáculo exclusivamente com foco no financeiro. Pelo contrário! A ideia é a atuação participativa. Sendo empresas atuantes na região e conectadas com o mercado, a Xereta e o Joinha, buscando interagir não somente com seus consumidores diretos como também com a comunidade em que estão inseridos, abraçaram o projeto. Nesse sentido, faço questão de mencionar também a FF Bortolazo, o Centro Médico São José, a Fasternet, o Grupo Inovares, a Malhas Plens e o jornal Nossa Folha. Todos, juntos, foram de fundamental importância na viabilização do espetáculo Circo de Pulgas.

NF – Quais as novidades preparadas para 2019 e as vantagens para as empresas e estabelecimentos que aderirem ao “Culturando”?
Civitella – Dentro do atual cenário competitivo, um dos grandes diferenciais que levam uma empresa a ganhar destaque e a confiança dos consumidores é ser atuante na sociedade. Relacionar-se com a comunidade e se fazer presente nas ações e eventos locais é fundamental para a construção de uma imagem junto aos clientes e potenciais compradores e, ainda, no foco de aumentar as chances de novas vendas e da fidelização dos clientes, que passarão não somente a gostar da marca, como também confiar.
Envolver-se em um projeto cultural permite que valores por ele transmitidos sejam associados à marca, o que é bem-visto aos olhos do público. E esses valores não ficam restritos apenas a quem frequentar o evento: são reverberados nas redes sociais e nas ações de comunicação da empresa, ao anunciar de forma criativa os projetos que apoia.
Para 2019, além da produção de espetáculos como o Circo de Pulgas, o “Culturando” dispõe de outros projetos culturais inscritos e aprovados nas leis de incentivo à cultura para ocorrerem em praças públicas, ou seja, de maneira acessível a todos. A partir dessa aprovação, a qual já temos, as empresas ficam habilitadas a aportar recursos aos projetos e deduzir o valor no imposto de renda ou no ICMS devido. Desse modo, em vez da empresa pagar o imposto ao governo, sem saber o destino final ou o uso dele, poderá direcionar uma parte para esses projetos aprovados.
É bom para as empresas, que têm a chance de apoiar a Cultura usando parte dos seus impostos; bom para os artistas locais, que terão oportunidades; bom para os profissionais da área, pois se geram contratações; e, acima de tudo, é bom para a comunidade, que ganha a chance de prestigiar eventos de qualidade. Este é o poder da rede colaborativa, agora expressa em nosso novo logotipo. Isso faz a diferença para gerar mais colaboração e benefícios a todos.