Asma afeta cerca de 10% da população brasileira


Diagnóstico do problema pode necessitar de exames específicos como o de espirometria, conhecido como prova de função pulmonar

O Inverno no Brasil começou e os dias de baixas temperaturas já são realidade por todo o País. Daqui para frente, o frio será fator determinante para desencadear o aumento da incidência das doenças respiratórias.
Uma das mais frequentes é a asma, doença que, segundo estimativas, afeta cerca de 10% da população brasileira. A médica pneumologista do Centro Médico São José de Cerquilho, Talita Jacon Cezare, explicou que a asma leva à inflamação dos brônquios e à consequente redução da passagem de ar aos pulmões.
“Em grande parte, esse quadro é desencadeado pelo ar seco e frio, além de fatores como poeira, ácaros e outras doenças, a exemplo da gripe”, esclareceu Talita.
Dentre os sintomas mais evidentes da asma, estão a tosse e a falta de ar, acompanhadas da sensação de chiado e aperto no peito. “Os sinais se agravam ao respirar ar frio ou praticar alguma atividade física que exija fôlego, como subir escadas”, exemplificou a pneumologista.
A análise do quadro costuma ser suficiente para o diagnóstico, no entanto, exames específicos, como o de espirometria, conhecido como prova de função pulmonar, podem ser solicitados. “O teste deve ser repetido periodicamente para acompanhamento da função pulmonar. Pessoas com a saúde respiratória comprometida expiram menos ar, o que indica a necessidade de cuidados mais intensos”, afirmou Talita.
Segundo a especialista, o tratamento atua em várias frentes. Nas crises agudas, em que há perda acentuada da função respiratória, é necessário o uso de broncodilatadores de curta-ação e anti-inflamatórios à base de corticoide. Paralelamente a essa intervenção, mantém-se as medicações inalatórias já em uso.
A asma é considerada doença crônica, ou seja, não tem cura e acompanha a pessoa por toda a vida, assim como a hipertensão e a diabetes. No entanto, com o tratamento adequado e a adoção de hábitos saudáveis, é possível mininizar os sintomas, restringir o surgimento de novas crises e ter uma vida com qualidade. “Pessoas com asma bem tratada podem até se esquecer que têm o problema. No entanto, não devem nunca deixar de tomar os cuidados”, reforçou Talita.
Outra medida indispensável aos asmáticos é tomar a vacina anual contra a H1N1. “A gripe é uma doença perigosa para essas pessoas, tanto que são classificadas no grupo de risco e têm prioridade na hora de se vacinar. Além desse cuidado, manter uma alimentação saudável e praticar atividades físicas que fortaleçam o sistema cardiorrespiratório diminuem os riscos”, completou a pneumologista.