Conheça os tipos de gestações gemelares


Saiba as diferenças entre os gêmeos monozigóticos ou univitelinos e os gêmeos dizigóticos ou bivitelinos

Gestação gemelar é a gravidez de mais de um feto. Ela pode acontecer porque o embrião se partiu, gerando gêmeos idênticos, ou porque a mulher ovulou mais de um óvulo e foi fecundada por espermatozoides distintos, gerando mais de um bebê.
No Brasil e no mundo, a gestação de gêmeos tem sido cada vez mais comum devido à evolução da Medicina Reprodutiva. Mas antes de analisar como isso acontece, é preciso entender o que são gêmeos e como eles se formam.
De acordo com o ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana Alfonso Araújo Massaguer, existem os gêmeos monozigóticos ou gêmeos univitelinos, que são idênticos geneticamente e possuem características físicas semelhantes (às vezes, eles têm pequenas diferenças, que são causadas pela interferência do ambiente em seu desenvolvimento) e os gêmeos dizigóticos ou bivitelinos, que não são geneticamente iguais e podem até ter o sexo diferente. Esse segundo tipo é o mais comum.
Ainda segundo o especialista, a possibilidade de gestação gemelar é de um para 80. Além disso, está relacionada com hereditariedade, porém, só quando está associada a gêmeos diferentes ou dizigóticos.
De acordo com Massaguer, nem sempre o parto gemelar é prematuro, mas o risco de complicações na gestação de dois bebês aumenta quatro ou cinco vezes. Uma gravidez com três fetos, por exemplo, aumenta ainda mais e é de extremo risco. “Quando se fala em parto prematuro, imaginamos um bebê que vai nascer saudável, mas, muitas vezes, há riscos de sequelas futuras, de problemas de aprendizado, de paralisia motora, além de diabetes e hipertensão na mãe, que repercute também na vida da criança”, completou o especialista.
Massaguer reforçou que gestação gemelar exige um acompanhamento médico mais rigoroso do início ao fim, incluindo nutricionista para cuidar do aumento de peso e das necessidades que os dois bebês terão, fisioterapia para trombose e dor nas costas, controle rigoroso do colo do útero, para verificar se não falta ferro, e checagem da pré-eclâmpsia – que é a pressão alta durante a gravidez.
De acordo com o ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana, os sintomas da gravidez de gêmeos são maiores. “Eles serão maiores e podem incluir hiperêmese gravídica, que são náuseas intensas, dor nas costas, inchaço, azia, aumento de pressão, diástase do músculo abdominal, que é o afastamento de determinados músculos, e anemia. Por isso, é tão importante o rigoroso acompanhamento de uma equipe médica”, explicou Massaguer.