Controle da hipertensão evita casos de infarto


Mais de 50% das mortes por derrame e 45% daquelas associadas a problemas cardíacos são decorrentes da pressão arterial alta

Quase um terço da populçação brasileira é hipertenso, só que a maioria não sabe disso. Sem sintomas e acompanhamento médico regular, estes só descobrem a hipertensão quando desenvolvem doença mais grave.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 51% das mortes por derrame e 45% daquelas associadas a problemas cardíacos são decorrentes da hipertensão. Para evitar casos de infarto, a cardiologista e médica nuclear Priscila Cestari Quagliato dá dicas:
1ª- Mantenha uma alimentação balanceada: Os hábitos alimentares podem prevenir ou mesmo provocar um infarto. Por isso, é importante manter uma dieta balanceada e diversificada, que inclua frutas, verduras, legumes e carboidratos, além de proteínas e nutrientes. “Ingerir gorduras saudáveis, chamadas de polinsaturadas, também é uma boa dica. As gorduras polinsaturadas podem ser encontradas no azeite, no chocolate meio amargo, na castanha-do-pará e até no abacate”, afirmou a cardiologista.
2ª- Inclua atividade física na rotina: A prática de exercícios físicos contribui para evitar infartos e diversas outras doenças, como hipertensão, diabetes e sobrepeso. “Comece com pequenas caminhadas, como passear com o cão, por exemplo”, informou Priscila.
3ª- Consulte um médico regularmente e faça exames preventivos – Existem exames cardiológicos que permitem a detecção precoce de problemas cardíacos. O teste ergométrico é um deles. Pacientes hipertensos, por exemplo, podem apresentar alterações do eletrocardiograma relacionadas ao aumento crônico da pressão arterial e, em alguns casos, até relacionadas à hipertrofia (aumento da musculatura do coração), que resultam nos chamados falsos positivos.
De acordo com a cardiologista, os exames de cintilografia de perfusão miocárdica e PET/CT, realizados em pacientes hipertensos, podem prevenir complicações, como o infarto. Além disso, a Medicina Nuclear conta com exames como estudo renal dinâmico e cintilografia renal, que avaliam a função dos rins, um dos órgãos lesados pela hipertensão. “Casos graves de hipertensão e não tratados podem gerar insuficiência renal nos pacientes”, afirmou a médica.
4ª- Fuja dos maus hábitos – O tabagismo e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas podem contribuir para infartos. “Substâncias presentes no cigarro destroem a camada de proteção das veias, chamada de endotélio, e oxidam as artérias, deixando-as suscetíveis ao contato da gordura do organismo, o que ocasiona a formação de depósito de gordura em locais inadequados”, completou Priscila.