Francisco Pietrobon (Chico Panca ou Chico Sapateiro)


Francisco Pietrobon (Chico Panca ou Chico Sapateiro)

Em 29 de dezembro de 2018, Tietê se despedia do esportista e palmeirense Francisco Pietrobon (Chico Panca ou Chico Sapateiro), que falecia aos 85 anos.
Tieteense nascido no bairro Luiza Benta, em 3 de maio de 1933, deixou a esposa Neusa Aparecida Rodrigues Pietrobon e os filhos Valéria, Mirela, Daniele e Luciano, além de netos.
Como morador da rua do Comércio, Chico Panca, mesmo aposentado, ainda exercia a profissão de sapateiro. Ficou conhecido nos meios esportivos pelos bons tempos do América Futebol Clube. Aliás, como gostava de contar, o falecido atleta e bandeirinha era um fiel e apaixonado esportista do Vermelhinho da Barra Funda.
Sua história como ponta-esquerda teve início no Juvenil do América, mas ele também fez parte do Juvenil do Comercial Futebol Clube, na época do treinador José Gostoso. Neste período, passou a atuar como zagueiro. Como seu coração era mais vermelho e branco que alvinegro, Chico Panca retornou ao América e, a partir de então, ingressou na equipe principal e disputou o futebol Amador. Foi assim até pendurar as chuteiras.
Chico Panca gostava de recordar dos clássicos entre América e Comercial, fossem no estádio “Caio Graccho” ou no “José Ferreira Alves”. Nessa época, os torcedores americanos e comercialinos lotavam os campos e ninguém queria sair derrotado.
Mesmo não sendo mais jogador do América, Chico Panca jamais deixou o futebol de lado e, por isso, fazia questão de participar como diretor, colaborador, árbitro e bandeirinha.
Concordo com Eduardo Brizotti quando ele escreveu assim: “Chico era uma pessoa de uma simplicidade ímpar. Tocava a sua sapataria com abnegação. Gostava do que fazia e nunca teve ambição material! A sua vida simples rodeada da família e dos amigos lhe bastava. Tinha prazer em viver, ainda que os percalços inerentes a todos nós por vezes o preocupassem. Seu poder de superação era admirável. O que me consola é que ele terá, enfim, a paz dos justos”.
PIADINHA DA SEMANA – A mulher pergunta para o marido:
– “Amor, você me ama?”
– “Claro, querida!”
– “Então, prove!”
– “O que quer que eu faça para provar?”
– “Lute com um leão!”
– “Meu amor, não posso morrer! Peça outra coisa!”
– “Então, deixe-me ver seu WhatsApp!”
– “Amor, qual é o tamanho desse leão, mesmo?”