Genésio Ramos


Benedito Genésio Ramos, conhecido pelo apelido de Nesião, brilhou no esporte como goleiro. Nascido em 2 de dezembro de 1959, em Cerquilho, o filho de Maria Aparecida Ramos defendeu as cores da Associação Esportiva São José, da Usina Santa Maria (Pilon), do Hungria e do São Pedro, todos de Cerquilho, além do 11 de Agosto (Tatuí), Votoram (Boituva), Comercial (Tietê), América (Tietê), Macalé (Tietê) e também do União
Bandeirantes, da Sociedade
Esportiva Matsubara e do Agroceres Futebol Clube (Paraná). No seu currículo de esportista, estão os títulos de campeão pelo São José e pela Usina Santa Maria.
No esporte, Genésio conta que foi influenciado por Olírio Búffalo, então treinador da Associação Esportiva São José, e pelo diretor social e repórter Deraldo Rodrigues que, além de inesquecível esportista, registrou nas páginas dos jornais sua atuação como goleiro.
Para o homenageado, os melhores jogadores da sua época foram Darci de Paula Dias, Castilho Miranda, Paulinho Grechi, Paulo Pilon, José Luiz de Barros (Brejeiro), Zé Maria Cagale, Côco Lucheta e Aldo Sanson.
Segundo o homenageado, a grande glória da sua carreira ocorreu no domingo, 8 de outubro de 1981. Nessa data, os jogadores e a torcida da Associação Esportiva São José viviam um momento inesquecível. A equipe cerquilhense era campeã invicta em cima da Associação Mocidade Atlética (AMA), de Tietê, pelo Torneio de Integração Regional “William Nicolau”, considerado na época um acontecimento esportivo regional inédito.
De acordo com a reportagem de Deraldo Rodrigues para o jornal Tribuna de Cerquilho, durante 20 anos, a torcida tricolor do Leão Cerquilhense esperava por esse dia.
Pela primeira partida da final, na cidade do adversário, no estádio “José Ferreira Alves” (Ferreirão), em Tietê, o São José venceu o AMA por 5 a 3, com gols de Alemão (2), João Baccili (contra), Paulo Pilon e Silas. Neste dia, Didi, Piçarra e Silvinho marcaram para o AMA. Na ocasião, o trio de arbitragem era formado por Mexerica, Valdir Pantojo e Francisco Pietrobom (Chico Panca).
Na decisiva final do Torneio de Integração Regional, com público estimado em mais de 1.200 pessoas, a torcida vibrava na arquibancada pela equipe cerquilhense, do técnico Olírio Búffalo. Logo nos 15 minutos iniciais, José Roberto abriu o placar para o São José, que também contou com um gol de Severino. Mesmo em busca de alguma reação, o AMA não suportou a superioridade do São José e foi barrado pelas grandes defesas do goleiro Genésio. No momento do apito final, o placar marcava 2 a 0 e era iniciada a festa de campeão, que virou a noite na praça Presidente Kennedy, no Centro.
O trio de arbitragem da partida, com renda de CR$80.000,00, foi formado por Geraldo Valentim Bengozi e pelos bandeirinhas José Roberto Tomazela (Amarela) e Édie Honório (Vermelha).
Na época, a Comissão Municipal de Esportes de Cerquilho (Comec) tinha como presidente Luiz Antonio Souto (Tis) e Genésio foi considerado o melhor goleiro, recebendo o prêmio de José Luiz Benatti Falcim.
O rapaz que trabalhou na Selene como ajudante de caminhão e na Pirelli e Raul Albino e Cia. como preparador químico, casou-se com Elizane Brisotti, a jovem que conheceu na extinta Kiwi Disco Club, e, com ela, teve o único filho: Gabriel Ramos, de 33 anos.
O torcedor do Santos Futebol Clube viveu na rua dr. Campos e seus melhores amigos eram Irineu Rodrigues (Ezequiel), Deraldo Rodrigues, Fred Fré, Vinicius Carlos Cestarioli, Zé Maria Cagale, Nique Barbosa, Zé Galinha, Tomate, Sônego, Anselmo Pelé, entre outros.
O homenageado também se lembrou do Torneio das Torcidas com homenagens dos torcedores do Santos, Corinthians, São Paulo e Palmeiras. Idealizado por Atílio Búffalo e Deraldo Rodrigues, esse evento ocorreu no estádio da Associação Esportiva São José, em Cerquilho, de 5 a 7 de fevereiro de 1978. Na ocasião, o Corinthians sagrou-se campeão e o Santos, vice.
Hoje, Genésio sente saudades do passado vivido com Herminio Pilon, Deraldo Rodrigues, Olírio Búffalo e Zé Galavote e tem gratidão por todos eles, além do ex-treinador José Mestiço e do ex-presidente Sergio Cinto (Kringer).
PIADINHA DA SEMANA – Um sujeito bate à porta de uma casa e, assim que um homem abre, pergunta:
– “O senhor poderia contribuir com o Lar dos Idosos?”
– “Claro! Espere um pouco, que vou buscar minha sogra!”