José Luiz de Queiroz (Zezico)


Seu nome é José Luiz de Queiroz, mas muitos o conhecem por Zezico (apelido que carrega desde a infância) e outros por Zé Luiz, principalmente em Ibiúna. Nascido em 1º de fevereiro de
1944 em Tietê, no passado,
este esportista foi destaque no Comercial Futebol Clube por jogar em várias posições. Integrou a linha alvinegra de 1960 formada por Laércio Belotto, Juarez de Almeida, Cadi Orsolini e Valter Goldoni.
Seu grande jogo de futebol, apontado como inesquecível por ele mesmo, ocorreu contra a Associação Esportiva São José, de Cerquilho. Na ocasião, atuou como centroavante e sua missão era impedir que a equipe do Leão Cerquilhense armasse jogadas contra os comercialinos. Assim, Zezico fez e, com um único gol da partida, garantiu a vitória ao Comercial com o placar de 1 a 0.
O homenageado de hoje nunca passou despercebido! O ex-prefeito e também esportista Angelo Uliana, por exemplo, tinha grande admiração por ele.
Para quem não sabe, foi em Tietê que Zezico viveu sua infância humilde e recebeu todos os valores éticos, morais e religiosos. Estudou na escola “Plínio Rodrigues de Morais” e cursou Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (Fafitu), em Itu.
Em outubro de 1968, época da ditadura militar no Brasil, com 24 anos, Zezico chegou a Ibiúna (onde mora até hoje) para exercer a profissão de professor primário e, na época, foi acolhido pelos conterrâneos João e Inês Formigoni.
Em Ibiúna, trabalhou como professor na escola do bairro Rio de Una e, em 1972, teve oportunidade de implantar enquanto diretor sua “pedagogia do amor”. Nesse período, o governo só proporcionava aos alunos a escolaridade, cabendo aos pais e responsáveis a compra do material didático. Segundo Zezico, naquele tempo, quase 25% dos alunos não tinham condições financeiras para adquirir todo o material didático, incluindo uniformes e agasalhos. Para isso, trabalhou para oferecer assistência a esses gastos por meio da Associação de Pais e Mestres, conhecida como APM.
Também assumiu a função de diretor pedagógico e supervisor na Delegacia de Ensino de São Roque. Sua aposentadoria saiu em fevereiro de 1996. Em seguida, fez parte do Corpo Diretivo do Colégio Objetivo nas unidades de Ibiúna e Piedade.
Na década de 1980, depois de ganhar de uma amiga o livro Paulo e Estevão, obra psicografada através de Francisco Cândido Xavier, passou a ser espírita e a trabalhar sua mediunidade até 2015 quando, por questões de saúde e mobilidade comprometida, parou com suas ações de espiritualidade.
Zezico teve uma trajetória pessoal e profissional de reconhecimento e sucesso. Hoje, aos 75 anos, “entra em campo” para lutar pela vida com amor, sabedoria e humildade. Casado com Maria do Carmo Saccon de Queiroz, tem dois filhos: Gilberto e Gisleine, além de duas netinhas: Giovanna e Estela.
Mesmo dentro das suas limitações físicas, Zezico transborda gratidão e ensina que “podemos usar os momentos de dor, frustração e ressenti-
mento para aprender a amar melhor”.
PIADINHA DA SEMANA – O filho grita para o pai: “Roubaram seu cartão de crédito! Vamos avisar a polícia!”
O pai despreocupado fala: “Não precisa, meu filho! Fique tranquilo! O ladrão gasta menos que sua mãe”.