Saiba quem foi Antônio Carneiro Leão


Nesta edição, o Nossa Folha prossegue com a série de reportagens sobre a vida de líderes de movimentos culturais, sociais e políticos

Última biografia sobre líderes de movimentos culturais, sociais e políticos do Brasil publicada pelo jornal Nossa Folha foi a de Anísio Spínola Teixeira.
Nesta edição, é a vez de Antônio Carneiro Leão, educador, administrador e escritor brasileiro, eleito membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) para a Cadeira nº 14 em 30 de novembro de 1944, na sucessão de Clóvis Beviláqua.
Nasceu na cidade de Recife, em Pernambuco, em 2 de julho de 1887, da união de Antônio Carlos Carneiro Leão e Elvira Cavalcanti de Arruda Câmara Carneiro Leão.
Concluiu o curso de Direito na Faculdade de Direito do Recife em 1911. Nessa época, se dedicava ao magistério, lecionando Filosofia na Universidade do Recife.
No ano de 1914, transferiu-se para o Rio de Janeiro e continuou a se dedicar à Educação como professor e administrador. Em 1922, foi nomeado diretor-geral da Instrução Pública e, em 1924, fundou a Escola Portugal e mais duas dezenas de escolas que receberam nomes de 20 repúblicas norte-americanas.
Em 1926, deixou o cargo de diretor da Instrução Pública e voltou para o Recife, onde, em 1928, assumiu a coordenação da reforma da Educação no Estado de Pernambuco. Entre 1929 e 1930, foi nomeado secretário de Estado do Interior, Justiça e Educação do Estado de Pernambuco.
De volta ao Rio de Janeiro, em 1934, assumiu a direção do Instituto de Pesquisas Educacionais, da Prefeitura do Distrito Federal, na época em que a direção da Instrução Pública estava a cargo de Anísio Teixeira. Também criou e dirigiu o Centro Brasileiro de Pesquisas Pedagógicas da Universidade do Brasil, criada por Anísio Teixeira.
Em sua carreira de professor, lecionou Administração Escolar e Educação Comparada na Faculdade Nacional de Filosofia, na Escola do Instituto de Educação, do Distrito Federal, e foi professor emérito da Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Foi, ainda, professor visitante e conferencista em universidades dos Estados Unidos, França, Uruguai e Argentina.
Colaborou, ainda, com diversos jornais do Recife, Rio de Janeiro e São Paulo e, também, fundou e dirigiu o jornal O Economista e colaborou com diversas revistas especializadas em Educação e Sociologia.
Em 1º de setembro de 1945, assumiu a cadeira nº 14 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Em todo esse tempo, recebeu diversos títulos e honrarias, entre eles, doutor honoris causa pela Universidade de Paris e pela Universidade Autônoma do México, membro honoris causa de universidades argentinas e de diversas instituições latino-americanas, Legião de Honra da França e da Ordem do Leão Branco da Checoslováquia, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, do Instituto da França, da Real Academia Espanhola e da Academia das Ciências de Lisboa.
Antônio Carneiro Leão é autor de diversos livros, entre eles, Educação (1909); O Brasil e a Educação Popular (1917); Os Deveres das Novas Gerações Brasileiras (1923); O Ensino das Línguas Vivas (1935);A Sociedade Rural, seus Problemas e sua Educação (1940); O Sentido da Evolução Cultural do Brasil (1946); Adolescência, seus Problemas e sua Educação (1950); e Panorama Sociológico do Brasil (1958).
Faleceu aos 79 anos, em 31 de outubro de 1966, em Guanabara, no Rio de Janeiro.